23 junho 2006

Aplausos e vaias para Alckmin

Um voto de aplauso ao programa de TV exibido ontem do candidato tucano à presidência, Geraldo Alckimin! Digo isto porque aos invés de bater de frente com o governo Luís Inácio, Alckmin acabou batendo de frente mesmo foi com a cúpula tucano-pefelista. Calma, eu explico. Grande parte dos líderes do PSDB e PFL querem que a campanha de Geraldo Alckmin ataque diretamente, e sem dó, o governo petista. O programa de ontem foi o contrário. Com um discurso consistente e afirmativo Alckmin deu-nos uma esperança de uma campanha de alto nível, coisa que - do fundo do coração - não creio que irá acontecer. O ódio tanto da parte governista como da oposição deverá imperar.

Agora um voto de vaia! O candidato chuchu, ontem no Recife, ressucitou a bandeira do parlamentarismo. Segundo Alckmin seu governo dará prioridade a reforma política (outra vez ela) logo em seguida deverá lançar outro plebiscito sobre a nossa forma de governo, uma disputa mais uma vez entre República e Parlamentarismo. O parlamentarismo no Brasil é freguês do sistema republicano, no placar 2 a 0 para os republicanos (jogos acontecidos em 1963 e 1993).

O sistema parlamentarista é um velho sonho da elite brasileira. Mas o povão sempre o derrota. A derrota se deu nas duas outras tentativas porque o eleitor comum percebeu que tentavam lhe tirar o direito de eleger o chefe de governo e transferir essa prerrogativa ao Congresso.

Na verdade se acontecer outro plesbicito como sugere Alckmin em um evetual governo seu, será derrotado mais uma vez. O eleitor com certeza não vai querer dar aos senhores parlamentares (deputados e senadores) o direito de indicar o chefe de governo. Não precisa nem dizer o motivo, ou precisa?

Justificar o parlamentarismo dizendo que este Congresso que aí está já estaria dissolvido neste sistema de governo é balela! Isso só iria acontecer se o chefe de governo assim o quisesse. Agora respondam com sinceridade: vocês acham que esse Congresso viciado e vacinado iria deixar ser dissolvido ou autodissolver-se?

Matéria completa publicado na Folha

8 comentários:

Gustavo Bertoche disse...

Patrick, eu concordo que a defesa do parlamentarismo não é simpática ao povo. Contudo, acho que deve ser aprofundada a discussão sobre a instituição formal do parlamentarismo - ou, pelo menos, a divisão mais estrita entre o papel do Congresso e o papel do Executivo. Porque como está, o Executivo tem a prerrogativa de legislar também, com todas essas MPs. E isso é excesso de poder na mão do presidente. Excesso que talvez esteja enfraquecendo o Parlamento - que, ao meu ver, deveria exercer um papel muito mais importante do que o Executivo, visto que, idealmente, representa de fato todos os brasileiros, de todas as matizes ideológicas e culturais. Um abraço!

Kafé Roceiro disse...

Estamos a pé. Sou anti-lula radicalmente, mas Alckmin está me decepcionando com suas tiradas. Ele tem muita coisa para aproveitar para fazer uma campanha limpa e sem ataquezinhos bobos e sem fundamentos.
Forte abraço,
Kafé.

Santa disse...

O fato de ser única alternativa contra o falastrão já está de bom tamanho. O resto a gente resolve depois.

Bjs

O Banco Mundial disse...

Da série “Nunca antes neste país”,

“No primeiro levantamento oficial já feito entre as diferenças no consumo das famílias e nos preços da América do Sul, o Brasil aparece como um dos países mais caros da região e onde os gastos per capita ficam abaixo da média. No ano passado, os produtos e serviços consumidos pelos brasileiros só não eram mais caros do que no Chile. Mas, entre os dez maiores países da América do Sul, o Brasil ficou em sexto lugar em termos de gastos familiares, num reflexo da extrema desigualdade de renda brasileira que exclui parte da população do mercado consumidor. Os resultados preliminares do Programa de Comparação Internacional (PCI) do Banco Mundial foram apresentados ontem e mostram os países mais pobres da América do Sul — Paraguai e Bolívia — como os mais baratos e, também, os locais onde as famílias gastam menos. O consumo na Argentina, primeira do ranking nesse quesito, é o triplo do verificado na Bolívia.”

Luciana Rodrigues e Janaína Figueiredo
http://oglobo.globo.com/jornal/economia/284471894.asp

teacher disse...

Poder para o parlamento?!!
Mais?!!

Falta maturidade por parte do povo e por parte dos nossos parlamentares...

VIVA PORTUGAL!! (fazer o que né?)

Kafé Roceiro disse...

LULA DEVE SEGUIR O MESMO RUMO QUE PARREIRA! CAIR FORA! DEVEMOS FAZER AGORA UMA CORRENTE ANTI-LULA EM NOSSOS BLOGS.

Alexandre, The Great disse...

Patrick, quê é isso primo? Voce é "MACHO"! (quadro do Zorra Total)

É tudo uma questão de prioridade, e nesse mister concordo com a Santa: REMOVER o molusco-bebum é a prioridade, o "resto" vem depois.

Prioridade pressupõe uma coisa na frente de outra, e assim sucessivamente. Portanto é falacioso afirmar que TUDO é prioridade.

Abraço,

P.S. desculpe a brincadeira, mas não resisti (não pretendo ser grosseiro, tampouco mal educado).

Anônimo disse...

ler todo o blog, muito bom