18 outubro 2006

Levando de lavada


Os novos números da pesquisa Datafolha. Outra pancada nas costas de Alckmin que não consegue sair do lugar, a não ser para baixo. Mas o resultado me surpreendeu, 60% a 40% (em votos válidos) achei um exagero. Até parece que Lula está no combate sozinho. Alckmin está em queda, e brusca. Não consegue tirar votos de Lula. E Lula, ao contrário de Alckmin, além de já ter o apoio da maioria dos eleitores de Cristovam e Heloísa Helena, consegue tomar cerca de um para cada dez eleitores de Alckmin no primeiro turno, como podemos perceber na tabela abaixo, extraída do relatório do Datafolha de ontem.




Visualize melhor clicando na imagem


Faz parte da vida de todo blogueiro especular. Quando escrevi dias atrás que se Geraldo continuasse assim iria levar de lavada não imaginava uma diferente tão grande (de 20 pontos) como mostrou a pesquisa Datafolha. A campanha tucana com o passar dos dias vai perdendo o fôlego. A cartada do debate da Band não funcionou. Ao contrário do que muitos analistas e blogueiros diziam, quem acabou vencendo o debate (na opinião do eleitor) foi Lula.

O segredo do sucesso de Lula está alicerçado em duas bases: a social e a regional. Geraldo Alckmin ficou ilhado nos cerca de 40% de votos válidos que recebeu ainda no primeiro turno. Mas por que Alckmin não consegue aumentar, ainda que diminutamente, seu eleitorado? Nem citando nos programas do fim de semana que abosorveria idéias de Cristovam Buarque em seu governo Alckmin não consegue convencer aos eleitores do pedetista a votarem nele. Aliás abro aqui um parênteses para especular mais uma vez. Desta vez sobre o motivo do não apoio formalizado do PDT à candidatura de Alckmin. O PDT sentiu (nas pesquisas) que seus eleitores no primeiro turno, em sua maioria, estão migrando para a candidatura petista. Daí se eles formalizassem esses apoio correriam o risco de pregar no deserto, o que seria péssimo para o partido. Até mesmo a esposa de Cristovam, Gladys, já declarou que votará em Lula. Mas voltando ao motivo da paralisia de Alckmin nos 40% de votos válidos. Os eleitores progressistas e de esquerda que no primeiro turno optaram por votar em Cristovam Buarque e Heloísa Helena não tem, na sua maioria, identidade com o candidato tucano. E no eleitorado da senadora e do senador o voto dito ideológico pesa muito. Pois em nenhum dos dois casos o eleitor tinha qualquer esperança de eleger o candidato. Esquerda, direita, progressista, divisões sociais, divisões regionais. As categorias da ciência social ajudam a compreender a realidade, mesmo nesta era da marquetagem.

5 comentários:

josescharlau disse...

Patrick seu texto é impecável. A tendência é esta mesmo, Lula tende a cresce cada vez mais

adalmir disse...

Agora é aguardar o resultado da pesquisa do Ibope e comparar os resultados. Até os tucanos reconhecem que Lula está melhor no segundo turno.

Parabes pela indicação na GB

indignadopolitico disse...

É verdade quando você escreve que a grande maioria do eleitorado de Buarque e HH migrou para Lula, e não poderia ser diferente

indignadopolitico disse...

É verdade quando você escreve que a grande maioria do eleitorado de Buarque e HH migrou para Lula, e não poderia ser diferente

Anônimo disse...

vou aguardar até dia 29