28 outubro 2006

Não é culpa dos programas de tevê


Para aqueles que buscam um bode expiatório para a campanha, provavelmente, fracassada de Geraldo Alckmin recomendo que vão com calma no linchamento dos responsáveis pelo programa eleitoral de tevê do tucano. O Valor Econômico publicou ontem este texto:



"A pesquisa [Ipespe/Valor de 24/10] mostra que o eleitor dá grande
importância aos debates entre os presidenciáveis. Dos pesquisados, 43% afirmaram que este é o principal fator para a decisão de voto. Somente 19% disseram que o noticiário a respeito dos contendores é um elemento mais importante. O programa eleitoral e os comerciais exibidos na mídia eletrônica são citados apenas por 15% dos entrevistados."

Leia a íntegra do texto de César Felício.


Vejam, apenas 15% dos entrevistados dizem definir o voto pela propaganda eleitoral. Claro que, por outro lado, ela pode influenciar a pauta jornalística e os próprios debates. Mas os caçadores de culpados da campanha de Geraldo Alckmin deveriam se voltar principalmente para a política, não para o marketing. Acho que eles não vão fazer isso. Pois buscar culpados é só a face visível de sua movimentação. O que querem mesmo é salvar a própria pele. E como escrevi dias atrás, é preciso receber a derrota.

2 comentários:

Valter Abrucez disse...

Caro Patrick;
Nas minhas conversas com amigos, eu costumo dizer que os programas eleitorais podem necessariamente não eleger um candidato. Mas, seguramente "deselegem" candidatos. Lembremos que a repaginação de Lula por Duda Mendonça, transformando-o no "paz e amor", teve peso fundamental na vitória do petista em 2002. Assim, a despeito dos dados da pesquisa que você menciona, a má qualidade do programa do Alckmin, que foi repetitivo e pouco criativo, além de não conseguir dar um discurso ao candidato, teve pedo preponderante na derrota do ex-governador de São Paulo. No mínimo, foi responsável pela enorme vantagem que se desenha ao final da apuração.

Ricardo Rayol disse...

Já a recebi e ofereci uns pães de queijo e café..