19 outubro 2006

O papel da mídia

Do Blog do jornalista Antônio Mello, artigo publicado hoje:


"Leio no Blog do Mino que a história do delegado Bruno é mais complicada e eletrizante do que parece. Segundo Mino Carta, o envolvimento da TV Globo no episódio da divulgação das fotos é maior e mais comprometedor. Ao Mino:



Aqui vai outra informação das mais representativas dos comportamentos globais.
No dia 28 de setembro, o infatigável delegado entregou as fotos ao repórter da
Globo que atende pelo sobrenome de Tralli, o qual, solerte, as entregou aos
superiores. Logo a emissora tomou a decisão de evitar ser acusada de repetir a
ação golpista perpetrada contra Lula em 1989, na vergonhosa manipulação do
debate com Collor. Donde, sugeriu ao Bruno que chamasse os repórteres de outros
jornais e emissoras, e que repartisse o tesouro entre eles. Diligente, o delegado atendeu a sugestão no dia seguinte.E o diretor de Jornalismo da Globo Ali Kamel ainda afirma que "se tem uma coisa que tem alegrado a nós, jornalistas da TV Globo, é o alto grau de isenção que temos conseguido imprimir na cobertura dessas eleições".


Mas o distinto público está reclamando. Hoje, mais cartas de leitores denunciam a "cobertura isenta" do jornal O Globo. Um deles ironizou a "solução isenta" do jornal, que ilustrou o comício de Lula no centro do Rio com a fotografia de um engarrafamento de ônibus... "

E ainda do mesmo blog, sobre a matéria divulgada neta semana da revista Carta Capital, Mello trancreve a reportegem:

"(...) Algumas pessoas têm a fita de áudio com a conversa do delegado Bruno com os quatro repórteres. Mais pessoas ainda a ouviram. Uma delas é o repórter Luiz Carlos Azenha, que tornou público vários de seus trechos no seu site pessoal na internet "Vi o mundo, o que nunca você pode ver na tevê" ( http://viomundo.globo.com/ ). Azenha, que é repórter da TV Globo, não quis dar entrevista a Carta Capital. Pediu para que se procurasse a emissora. Para o que mais interessa ao desenrolar da nossa história, dos trechos da fita, deve-se destacar a preocupação de Bruno em fazer com que as fotos chegassem no dia ao Jornal Nacional. "Tem alguém da Globo aí?", pergunta ele. Um dos quatro responde: "Não é o Tralli? O Tralli está muito visado", Bruno diz, referindo-se a César Tralli e ao incidente, conhecido de muitos, de esse repórter da TV Globo ter podido acompanhar, praticamente disfarçado de Polícia Federal, a prisão de Flávio Maluf, filho de Paulo Maluf (...)"

Sei que muitos dos leitores deste blog são eleitores declarados do candidato tucano Geraldo Alckmin, mas este blog busca a verdade, esteja ela onde estiver, e neste caso ela parece ter dois lados. O vídeo é escandaloso e a grande mídia deveria sim buscar a verdade dos fatos, sem paixão política, sem interesses. A população brasileira merece.

Um comentário:

Defensor, O Maldito disse...

Saudações.
Realmente a falta de isenção da mídia pátria é notória, principalmente a rede globo. Tenho em mente que a verdade deve sempre prevalecer. A imparcialidade é requisito essencial ao bom jornalista.
Abraços