16 fevereiro 2007

A Espanha dá o exemplo


No Brasil é corrente a exigência imediata de reformas. Mas será que elas iriam resolver os problemas do país? Se precisamos de algo para validar a afirmação a Espanha serve para tal. Localizada na Península Ibérica, a Espanha, têm crescido ininterruptamente há mais de 30 anos. E não pense em crescimentos estratosféricos, como os da Índia e China, pois a média espanhola é de 3,4% ao ano. A diferença é que seu crescimento leva em consideração não apenas os números da economia mas dá também grande ênfase ao social sem, no entanto, apostar em políticas assistencialistas baratas.

Durante o regime ditatorial, chefiado por Francisco Franco, Espanha e Brasil exibiam quadros muito parecidos: economia praticamente falida, burocracia infernal e uma miríade das desigualdades sociais. Após a morte de Franco é que as coisas começaram a melhorar. A partir de 1975 os espanhóis multiplicaram por cinco sua renda per capita. O que permitiu tal salto? Reposta: profundas e consistentes reformas estruturantes. O passo inicial dessa caminhada foi dado em 1977 com a assinatura dos chamados Pactos de La Moncloa, que regulou a economia através de uma disciplina rígida na área fiscal e monetária. Já em 1983 começa a desestatização de alguns setores, com a privatização da telefonia, siderurgia e rede bancária. Rumo completamente diferente do que se toma aqui na América latina, onde a moda agora é reestatizar. E não paro por aí. As reformas atingiram de certa forma o social com a universalização da saúde e educação.

Todas essas modificações credenciaram a Espanha a ingressar na União Européia, em 1986. Essa foi talvez a mola propulsora da evolução econômica espanhola. Tudo isso aconteceu, por incrível que pareça num governo socialista, o de Felipe Gonzalez. Mas o grande mérito espanhol chama-se na verdade perseverança. Ter seguido uma estratégia de longo prazo, buscando acabar com cada um de seus problemas, foi e é o exemplo que o governo brasileiro precisa seguir. Ou se segue isso ou esperamos por alguma fórmula milagrosa que funcione. Eu prefiro a primeira.

6 comentários:

carlos*aguiar*diaz disse...

Patrick belo exemplo esse seu. Brasil precisa seguir por esse lado mesmo. Estamos atrasados mas ainda dá tempo.

jarbas disse...

O periodo ditatorial de Franco foi tão maculador quanto o dos militares no Brasil, a grande diferença evidenciou-se depois como você tão bem escreveu.

Romeryto Vieira Lira disse...

Legal Patrick!!! Que bom seria se o Brasil seguisse esse exemplo.

Jornalismo Paraibano disse...

Rapaz, a questão é essa mesmo. Precisamos de reformas, urgentes, e em vários setores.

Até porque, esperar milagre é coisa que a gente já vem fazendo há tempos... e, como é princípio bíblico, Deus não faz o que os nós mesmos podem fazer. Portanto, mãos à obra!!!

Abraços, Gléber
Lenildo Ferreira

Ricardo Rayol disse...

Seguimos o mesmo caminho com mais de uma década de atraso.. pelo menos é o que acho.. agora o regime ditatorial de franco foio uma mácula na história da humanidade.. e ainda dizem que a Europa é um continente civilizado.

Suzy Tude disse...

Patrick, as "fórmulas milagrosas" são nosso poço sem fundo. E em lugar de seguir excelentes exemplos como o da Espanha, me parece que este governo persegue a mediocridade, é retrógado e populista, o que é uma pena para o Brasil.

Grande abraço